Começando do começo...

O sucesso de qualquer nova tecnologia/aplicação depende da alteração dos hábitos dos usuários. “Pessoas mudam os hábitos rapidamente quando eles têm uma forte razão para fazê-lo”, já dizia Marc Andreeseen. E gente pensando que cliente, seja o VITO ou o gerente de TI ou o usuário, é algo para se pensar, ou se lidar, só na hora da venda.. já com o produto ou serviço definido.. Ai, ai, ai.. O que estamos oferecendo como razão forte e real para eles alterarem os hábitos que eles têm hoje?

Software está mais para tomate ou para brilhante?

Comentários

  1. Olá Aísa!
    Meu nome é Leonardo Tristão e participei de um de seus cursos em Campinas.
    Estarei sempre passando por aqui para acompanhar as suas novidades.
    Abraço,
    Leonardo Tristão

    ResponderExcluir
  2. Olá Aísa!
    Participei de um de seus cursos em Campinas e sempre leio a sua newsletter e compartilho os conhecimentos com o meu time de vendas.
    Um blog é um experiência interessante e te desejo muito sucesso.
    Estarei sempre passando por aqui para expressar minhas opiniões e aprender sempre mais.
    Grande abraço!
    Leonardo Tristão

    ResponderExcluir
  3. Uilder M. da Silva31 de janeiro de 2007 10:08

    Bom dia Aísa!


    Ainda não participei do seu Curso, mas lí seu livro e gostei muito.
    Espero que venha logo ministrar seu curso aqui em Campo Grande-MS.


    Grande abraço!

    Uilder M. da Silva

    ResponderExcluir
  4. Sou o Fernando Gerente de Contas da WebTech Informática, a nossa empresa desenvolve softwares e também vende licenças da Microsoft, nós somos Certified Partner, já fiz o seu curso, li o livro e todos os gerente de contas da empresa já compraram e leram o seu livro também...

    Então... é engraçado esta pergunta mais é real. Vejo que nas nossas negociações de software, no caso SIGEHO – Sistema Gerenciador de Hospedagem (software para o seguimento de motéis), o cliente se sente encantado com o software e o poder de gestão que ele possa ter (neste caso o diamante..rs), mais na hora do preço ele acaba tratando software que nem quitanda, acredito que isto é decorrência da “falta de cultura” do mercado e principalmente dos concorrentes que acabam vendendo o seu produto por “kg”, com isto, a negociação se prolonga porque precisamos deixar bem claro as diferenças e isso fica pior quando vendemos licenças da Microsoft q acham um abusivo os preços pq podem comprar por R$ 10,00 na fera...rs

    Pra superar todas essas barreiras a gente acaba mostrando que entendemos a empresa dele, os processos, o mercado que o cliente atua e os concorrentes destes clientes e com isto semeando sementes de TI, antes durante e depois da negociação... Só assim ele vê a diferença.

    ResponderExcluir

Postar um comentário