Vendo o que não se via antes

"A luta pelo engajamento da parte técnica ao processo de venda continua.."

A frase vem no meio de um e-mail de um profissional que participou de um curso aberto da EV e, de volta à empresa, começa a ver algumas questões que impactam o desempenho da equipe comercial.

É a visão departamentalizada da empresa que cria o contexto para silos isolados de atuação onde cada área é vista como cliente-e-fornecedor das demais. Será mesmo assim? Ou, mais do que cliente-fornecedor, as áreas das nossas empresas seriam mais efetivas se se vissem como "parte da equipe" provedora dos nossos clientes, em coordenação com a área comercial? Eles, os nossos clientes, são nosso fim, nosso objetivo, não são? E.. quem está mais perto deles? A área comercial, certo? (Estaríamos invertendo algo fazendo assim? Sim... E o depoimento a seguir, mostra isso...)

"Fiz o curso de Engenharia de Vendas com você antes do carnaval. Os métodos que estudamos naquele dia revolucionaram o modo como eu via o [meu] comercial. Tenho sofrido bastante desde então. Sério mesmo. Eu percebí o quão despreparado estava em minha visão turva sobre o comercial de software. Eu e um funcionário fizemos uma análise de Engenharia de Vendas para um de nossos serviços. Mais uma vez, um produto sem foco algum, que fora lançado sem estudo de mercado.."

Mais um depoimento de um profissional que começa a olhar a sua própria empresa "através dos olhos dos clientes". E que passa a "descompartimentalizar" o processo da venda numa empresa de software...

Esse processo é fácil? Não. É dolorido? É. Tira-nos da zona de conforto onde queremos e tentamos sempre estar. Exige coragem? Sem dúvida. Implantado, permite que o relacionamento vendedor-prospect-cliente melhore? Sim. E facilita a venda? Sim!

E, se todos na empresa começam a ter "foco em vendas", cresce também a chance de maior integração e cooperação entre as equipes internas e mais inteligência no atendimento ao cliente!

Bem-vindo ao mundo dos engenheiros de vendas...

Comentários