O esforço transparente

Quem está alí na reunião não sabe que a outra pessoa perdeu o pai ou se separou naquela semana. Quem está alí na apresentação não sabe o esforço que o apresentador está fazendo para entusiasmar a audiência. Quem está alí, lado a lado, não sabe o que está se passando na vida pessoal de cada um..

E, por não saber, exige o usual de atenção e dinamismo. E, ao fazer isso, força-nos a esquecer temporariamente a nossa perda e ajuda-nos a prosseguir. Sim, precisamos ir em frente.

Nada para, nada espera. Consolo não há, tempo não há. "Desista de toda esperança" é o que nos diz Pema Chodrom, que acredita que as esperanças nos limitam porque são formuladas por nossas consciências limitadas.

Será?

Falar é sempre muito mais fácil do que fazer e, neste caso, sentir. "Esperança" é o que nos faz seguir em frente (precisamos!), apesar da saudade, filha de amor ausente, e da tristeza e incerteza que sempre acompanham uma grande perda pessoal...

Tempo seja dado ao tempo. Um vai, um volta...

Comentários