Quem mais gosta de trabalhar?

Estereótipos "colam". Muitas vezes são justos, muitas vezes são injustos. Não importa. Colam...

Cada região tem um estereótipo. Cada estado tem um estereótipo. Cabe a nós mostrar, provar a consistência ou inconsistência dos estereótipos que nos atingem - e que podem nos ajudar ou não a fazer negócios..

Nunca sofrí com estereótipos (mulher, nordestina, pernambucana, vendendo software?) porque, olhando através olhos dos meus clientes, antecipo-os e me ponho à prova a cada novo cliente. Atitude e preparo, competência e caráter mostram a inconsistência dos pré-conceitos e alargam a visão nos pós-conceitos.

Compartilhar o que temos a oferecer aos nossos clientes, "educando", é nossa missão. Fechar os olhos para os estereótipos e fazer de conta que eles não existem não ajuda a eliminá-los. Provar a inconsistência dos mesmos, com medidas e atitudes claras, ajuda.

Um curso que ministrei no Rio na terça passada, curiosamente, mostrou isso na prática. Foi um dos cursos de maior participação e de maior questionamento pós-curso entre os mais de 100 cursos que já ministrei pelo Brasil. Quem acha que carioca não gosta tanto assim de trabalhar (estereótipo?..) não conhece os cariocas que estavam lá...

Comentários