Padrão repetido?

Uma das conclusões de pesquisa conduzida pela UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre) com 232 adolescentes entre 14 e 19 anos, publicada hoje no Diário de Pernambuco, foi a de que pais negligentes, permissivos e autoritários podem contribuir para os problemas dos filhos, enquanto que o modelo parental autoritativo pode, ao contrário, prevení-los.

O que modelos parentais tem a ver com venda de software? Analogia pode ser feita, e a faremos, mais à frente. Mas, primeiro, vamos rever o significado de cada "tipo de relação parental:
- autoritativa = pais presentes manifestam afeto, apoio e, ao mesmo tempo, exigem e realizam a autoridade;
- negligente = pais não estabelecem limites, não manifestam apoio, afeto, são ausentes;
- indulgente = pais demonstram muito afeto e apoio, mas não estabelecem limites e regras, são permissivos;
- autoritária = pais exigem e cobram demais, sem que haja uma relação de afeto."

Chefe não é pai/mãe, subordinado não é filho/filha, mas existe uma relação de autoridade e afeto que se desenvolve com a convivência. Se isso é verdade, como é que você se vê como chefe? Autoritativo, negligente, indulgente ou autoritário? E como subordinado, como você é? Autoritativo, negligente, indulgente ou autoritário?E que tipo de chefe você prefere? Autoritativo, negligente, indulgente ou autoritário? Você consegue lembrar de fatos que mostram que chefes negligentes, permissivos e autoritários podem contribuir para os problemas dos subordinados, enquanto que o modelo de chefia autoritativo pode, ao contrário, prevení-los?

"Quem não consegue se lembrar do passado está condenado a repetí-lo" (George Santayana). Será que repetimos o tipo de relações parentais e entre chefe/subordinado/chefe que experimentamos no passado? Se a nossa foi uma boa experiência, ela serviu como um bom aprendizado, mas.. e se não foi? Ainda assim a repetimos, sem perceber o padrão que se refez?

Comentários