O negativo destrói, o inseguro duvida, o positivo constrói. Qual você decide ser?


E hoje é dia de lembrar que cada um tem o poder de decidir como quer ser. Como agir hoje cabe a mim, a ele, a ela e a você. Decidamos.

Fato é, o negativo destrói. Não consegue construir. Não cria um bem, uma qualidade, uma melhoria ética e positiva para outros, para quem de um bem ou melhoria está a precisar. O negativo é egóico, egocêntrico, pesado, lento, pensa que os outros lhe devem. Corrói-se por dentro, ira-se por fora. De vez em quando, pode calar uma sensação interna de inadequação. Não, diz! Não é uma palavra que usa com orgulho e superioridade. E qualquer motivo lhe serve para apontar alguém da equipe, a empresa e o país como o culpado, o pior. O negativo é altamente crítico, além do bom-senso e racionalidade.

O inseguro duvida. Não sabe como agir, o que decidir. Fica na fronteira do sim e do não. Indeciso, não decide se preparar para decidir. Frustra-se. Perde tempo por não saber como deixar de perder tempo. Não pede ajuda. Não sabe a quem ajuda pedir.

O positivo constrói. Mesmo que tenha dúvidas (e ele tem), mesmo que se sinta inseguro (e ele se sente), mesmo que tenha ímpeto de destruir (e ele eventualmente tem), o positivo tem, em sua gênese, em seu instinto, em sua natureza, a certeza do bem que em tudo há e ele pode gerar. Na prosperidade e na adversidade, o positivo constrói, gera resultados, aprende, tira lições, constrói mais uma vez, ..., num ciclo virtuoso. Segue construindo, sem construir por favor e sem se achar merecedor. Constrói agradecendo pela chance que tem do bem construir.

E se um não decidir como hoje quer agir, pode ser que a vida por ele decida. E perfeito é o equilíbrio da balança invisível e móvel que a vida é. Negativos se tornam positivos depois de traumas que os fazem mudar... Mas por que esperar?

"Orgulho desmedido, arrogância e impetuosidade ‘rejeitam' os limites da natureza humana", diz Eliana Cardoso. Positivos nascemos. Positivos podemos viver. A decisão é de cada um. Hoje, amanhã, cada dia, todos os dias...

Comentários