Não se deve fazer por alguns o que não se pode fazer por todos. Regras de negócio existem para serem "regras".

"Você gostaria de pagar a mais por um mesmo produto? Como você pode ter certeza que o preço que lhe foi cobrado será o menor cobrado por aquele vendedor que lhe deu o desconto?"

É possível inverter até a própria ótica do desconto para um cliente. Se ele ganha X e um concorrente ganha 2X de desconto numa mesma compra, de um mesmo fornecedor, o ganho dele foi positivo? Ou negativo?

Princípios, meus caros... Pessoas e empresas precisam ter princípios... Não se deve fazer por alguns o que não se pode fazer por todos. Quanto mais exceções e indefinições forem vistas numa relação comercial, mais ceticismo existirá em relação à palavra e à entrega das partes. Regras de negócio existem para serem "regras".

Um gasto nunca é dinheiro inteiramente perdido ou multiplicador inteiramente ganho, puramente. Há custos indiretos e custos de oportunidade, além dos custos diretos da compra. O preço é 1, mas os custos são 3, já falamos sobre isso aqui. E ainda há a relação preço e valor, lembre-a neste artigo.  Mas se o preço é um para o cliente A e outro para o cliente B, os clientes C a Z certamente se sentirão inseguros quanto à palavra e condições comerciais do vendedor.

E, sabemos, compradores inseguros não decidem. Inseguros, adiam a compra. Lembre-se das últimas situações em que seus compradores adiaram a compra por insegurança...

Conhecer as prioridades, necessidades, realidade prática e restrições do cliente-alvo é um grande diferencial para o vendedor reduzir a insegurança do comprador. Quais são as prioridades que o comprador tem hoje? As necessidades?  O contexto? As restrições?

Estude-as previamente e esteja sempre pronto para validá-las junto ao cliente. Para o comprador, falar sobre si, ver que o vendedor se interessa e realmente entende o que ele vive é passo importante para a segurança e a confiança que ele precisa sentir para decidir quando e de quem comprar.

Comentários