Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2012

O tempo está a seu favor na prevenção ou na reação?

O que você prefere: prevenir ou reagir?

Se você disse "prevenir", e isso corresponde fielmente à realidade, você é uma pessoa atenta a resultados. Provavelmente você se prepara para as reuniões (para prevenir o desconhecimento e a falta de participação na discussão), cumpre prazos (para prevenir a reprovação de quem conta receber sua entrega na data acordada) e tem um crédito de confiança de seus chefes, pares, subordinados, clientes e fornecedores (além dos amigos e familiares). Certo?..

Se você disse "reagir",  e isso corresponde fielmente à realidade, falta mais atenção sua aos resultados. Provavelmente você não se prepara muito para as reuniões (não vê necessidade - só vê isso depois que os outros lhe cobram), nem sempre é atento ao cumprimento de prazos (há sempre o amanhã, não é?) e não dispõe de um saldo de crédito de confiança dos outros (que, irritantemente e mais uma vez, lhe cobram ação, certo?).

Quando você toma uma decisão? Quando o problema é tão gra…

Os nãos que os inseguros dizem

Se bem usado, "dizer não" é uma qualidade. Precisamos dizer "não" em situações onde teríamos dano, atraso ou prejuízo. Nesses casos, o não deve sair rápido e seguro.

Mas olhe à sua volta e veja a quantidade de nãos que saem muito rápidos - e aparentemente seguros - em resposta a boas propostas. Esses são os "maus nãos". Se pudéssemos fazer um censo, veríamos que esse tipo de "mau não" é geralmente dito por pessoas que tentam compensar suas próprias inseguranças, Um "mau não" é dito por quem não conhece o que está sendo proposto e vê como saída conclusiva o uso do não. Um "mau não" é usado por quem se sente inseguro ou isolado no que está sendo falado ou proposto - justamente para terminar a razão da sua insegurança ou isolamento.. Além dos inseguros, um "mau não" é dito geralmente pelos mal alocados - alguns também os chamariam de incompetentes, mas penso que não exista pessoas incompetentes, mas sim mal alocadas..

Quanto você está trabalhando a mais para cobrir seus atrasos?

Fui uma daquelas meninas estudiosas. Mas não era estudiosa e ponto. Jogava (basquete), representava a turma, gostava de estar envolvida. Jovem, sentava lá atrás junto dos meus melhores amigos, que eram, claro, os mais engraçados da classe. Aliás essa amizade era algo que me trazia muita qualidade de vida: era com eles que eu ria o que não riam os que só estudavam... Ria e estudava.. E dizia a eles que eu, sim, era a mais preguiçosa de todos, porque queria estudar uma só vez a mesma tarefa, fazer uma só vez a mesma prova, ficar de férias logo que fosse possível. Quem não estudava para a prova teria que estudar mais, porque teria que fazer nova prova..

Esse conceito de não querer repetir "nada" ( a não ser as risadas e a alegria! ) me formou uma pessoa que não gosta de atrasos. Porque atrasos são tempo perdido, mas um tempo perdido que não se perde: não economizamos o tempo que perdemos, temos que pagá-lo mais à frente.. Exatamente como a prova que deve ser repetida para quem …

Se valor > preço => benefícios > custos

"O que mais me incomoda é a falta de visão do empresário, vendo sempre a informática como uma despesa, com isso a choradeira, e pior, sempre tem um sisteminha de graça para estragar o mercado, lamentável" (resposta a uma pesquisa que temos no site da EV sobre "o que mais lhe incomoda hoje na sua forma de vender").

Olhando através dos olhos dos nossos clientes, será que eles, os clientes, não conseguem ver a informática como uma despesa porque muitos de nós, os vendedores, não têm a preocupação de demonstrar o valor do software que vendem? Será que a falta de visão dos clientes já não é uma consequência da nossa falta de preparação para ajudá-lo a enxergar o valor do que vendemos? Acho que sim.. O valor do software é o resultado do uso do software, ou seja, a indicação dos benefícios concretos que o cliente terá a chance de ter ao usar o seu software. Para demonstrá-lo, o vendedor tem que ter métricas disponíveis que mostram esses benefícios em números em reais ou…

Você tem solução para um problema que não existe?

As oportunidades estão em todo lugar. Mas elas não são visíveis por todos e é por isso que alguns são chamados de visionários (vêem antes dos outros) e outros não (os seguidores..).

Aumentar, diminuir, cortar, criar e combinar são as 5 formas de lidar com as oportunidades. Tome o que já se tem (produtos, serviços..) e aumente, diminua ou faça combinações entre eles e você terá um novo produto ou serviço para um novo público-alvo, talvez com mais urgência na necessidade (e na compra...). Corte, exclua o que não é competitivo. E crie o que pode vir a ser. Mas sempre preste muita atenção aos problemas ainda sem solução que você tem competência presente e/ou futura para resolver..

Trabalhando assim na solução de problemas, teremos 2 destinos.

No primeiro destino, quanto mais dedicados estivermos em resolver estes problemas, mais conseguiremos "ver" maiores e mais abrangentes problemas a resolver. Numa espiral crescente, essa visão poderá nos tornar então mais competentes e mais…