Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2009

Viajando na América

Sabe os totens que nos permitem fazer o check-in em voos no Brasil? Eles vão evoluir para o que ví hoje no JFK Airport, em NY. Não tirei foto pela correria do embarque, mas os totens daqui permitem que você passe sua ID pessoal para, imediatamente, mostrar a relação das pessoas com quem você está viajando (olha o cruzamento de banco de dados!) e emitir o seu "boarding pass" e os dos seus acompanhantes de uma vez só! Nada de prévio check-in pela Internet, nada de cartão fidelidade, nada de emissão por pessoa. Basta sua ID ou passaporte e.. voilá.. todo o seu grupo está com os "boarding passes" na mão! Muito legal!
(Esse procedimento é feito se você tiver mala para despachar também: a diferença é que os funcionários das companhias aéreas ficam um pouco mais à frente para pesar as malas e lhe dar os comprovantes de envio.)

Falando em voos aereos, a tentativa do nigeriano no voo para Detroi é só o que se vê nos noticiários. Obama foi transparente e rápido, cobrando dos ó…

Tecnologia nos esportes

Imagem
Jogo da NBA no Madison Square Garden no dia de Natal, New York Knicks contra Miami Heat (que ganhou o jogo), e um mar de notebooks do lado da quadra. Decididamente, a tecnologia invadiu as quadras e os esportes..

Google dá WiFi

Imagem
Estou nos Estados Unidos para o final de ano e vou aproveitar para escrever algumas postagens daqui, ok?

O que me chamou a atenção nesses 2 primeiros dias? Fora ver a loja da Apple na 5th Ave (Nova York) entupida de gente e os netbooks vendendo feito água nas lojas de eletrônicos, parece que não basta apenas desenvolver e lançar novos produtos e serviços, inovar e ser líder. Empresa que quer ser realmente grande também investe no desenvolvimento das cidades! É o que a Google faz quando dá acesso gratuito ao WiFi e divulga isso nos aeroportos (Miami, abaixo)..

Como definir o preço do seu software

Com o tempo, a experiência e o reconhecimento da dinâmica do mercado, está ficando mais fácil definir parâmetros práticos que ajudem na definição do preço de software - o seu em relação ao dos seus concorrentes.

A matriz comparativa de apoio à definição de preço de software que discutimos nos cursos da EV (e que pode substituir aquele longo questionário que vemos quando fazemos pesquisas sobre o assunto) tem continuamente evoluído e facilita a vida do vendedor. Como a matriz é comparativa, saber os preços dos concorrentes diretos ou, na falta destes, substitutos, será a base fundamental do estudo de definição de preço.

Mudaram as formas de demonstrar insatisfação

O que o cliente faz quando está insatisfeito? Liga para a empresa.. ou, se a insatisfação for muito grande, não liga e nem quer mais ouvir falar sobre a empresa, certo?

Mas vamos prosseguir com o cliente que quer continuar sendo nosso cliente (bom para nós, vendedores!) - e tenta ligar para a empresa:
- liga uma, duas vezes
- é transferido de pessoa a pessoa
- não consegue uma resposta aceitável
- não obtém um retorno

Em outros tempos, a insatisfação iria terminar por aí. O máximo que aconteceria seria ele falar mal da empresa para os familiares, amigos, companheiros de trabalho. E, certamente, falaria poucas e boas para os vendedores da empresa da próxima vez que eles entrassem em contato para.. vender... (as vendas futuras sempres arcam com as consequências do serviço presente, não é mesmo?)

Mas agora mudaram as formas de demonstrar insatisfação.. Descontente, o cliente coloca uma mensagem no Twitter com link para o perfil do fornecedor (que também estará lá), falando sobre a insatisfação…

Inovações "surgem" de problemas

O que é mais importante para melhorar a educação e incentivar a inovação no Brasil? Ensinar mais matemática e computação a crianças, jovens e adultos? Ou ensiná-los a "resolver problemas"?

A maioria de respondentes norte-americanos à já famosa pesquisa Newsweek-Intel Global Innovation Survey escolheu a primeira opção. Os chineses? A segunda. E nós, o que vamos escolher?

Considerando que a inovação "surge" a partir de problemas - e como Keith Sawyer diz em Group Genius, “com frequência, é somente depois da inovação ter ocorrido que todos entendem o que aconteceu" - a base forte de matemática e computação é muito importante, mas a habilidade de gerar abordagens criativas para a solução de problemas é efetivamente "fundamental"...

Não é exatamente a partir do reconhecimento de problemas ainda não resolvidos que surgem as reais inovações?

A viagem do ego

Como tudo na vida, nosso ego deve ter limites. Dentro dos limites, ele é positivo: dá-nos assertividade, auto-confiança e entusiasmo, faz-nos gostar de nós próprios. Fora dos limites, no entanto, ele é negativo: transforma-nos, distancia-nos dos outros, gera a rejeição dos demais.

Quanto mais vivemos, maior é a consciência das limitações do ego inflado. Definitivamente, não será ele que nos permitirá entender quem nos rodeia nem nos permitirá evoluir como profissionais e seres sociais..

Por que?

Para o ego ilimitado, ele próprio é o que mais importa! Quem o tem, se vê como melhor, mais inteligente, mais versado, mais bem-sucedido, e não admite que alguém o contradiga ou tenha uma opinião diferente da dele. Para o ego ilimitado, não há prepotência, só o reconhecimento da superioridade que ele pensa ter..

O pior do ego ilimitado é o não reconhecimento da realidade: a realidade que podemos e temos tanto a melhorar... Somos preparados? Sim, mas podemos ser mais se nos prepararmos mais. Somos …

Treinar é mais barato do que dar suporte. Mais ainda do que perder cliente...

"Menos da metade dos usuários estão efetivamente usando software instalado nas suas empresas", diz o relatório "Achieving Enterprise Software Success" comentado em artigo da revista CIO.

"Isso significa que a maioria das empresas está deixando na mesa benefícios como custos reduzidos, receitas crescentes e maior diferenciação competitiva - benefícios estes que são citados como o motivo para os investimentos em software em primeiro lugar", prossegue o texto conclusivo da pesquisa.

Alguns motivos poderiam iluminar as causas do não uso do software já comprado, implantado e disponível nas empresas:
- o software não é bom o suficiente?
- não é amigável o suficiente?
- não se pode contar com um suporte técnico disponível e competente o suficiente?
- o custo da manutenção é alto?
- a atividade não é mais realizada?
- o usuário encontrou outra forma mais eficaz de fazê-la?

Mas... que tal continuar com as perguntas?...
- as equipes nos clientes sofrem rotatividade?
- os usu…