Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

Nossa hegemonia

"Hegemonia", diz nosso amigo Péricles Ypiranga. "Nosso diferencial está na hegemonia."

Hegemonia significa supremacia, domínio. É a qualidade de quem vence sucessivamente, no tempo e na história. É a qualidade que mais imprime receio e respeito a quem com ela compete.

Talvez a hegemonia seja o 12o. jogador da seleção brasileira quando ela entra em campo. A camisa amarela da seleção brasileira impõe respeito pelo repetido e contínuo sucesso que tem tido na história dos campeonatos mundiais. A camisa amarela tira o sossego e aumenta a ansiedade das outras seleções. Somos campeões natos e eles sabem disso..

O que é interessante ver é que, apesar de também sabermos disso, aprendemos muito desde 1998, quando tínhamos certeza que ganharíamos da França na final e perdemos. Com aquela derrota, perdemos a prepotência de vez e ganhamos a humildade de saber que uma Copa do Mundo (ou qualquer outra disputa) se ganha jogo a jogo, disputa a disputa. Com aquela derrota (tão inesp…

Em que mundo nós vivemos?

No excelente artigo "Liar, liar: why deception is our way of life", Dorothy Rowe fala sobre nossos comportamentos destrutivos. Fantasiamos, interpretamos - e nossos cérebros se ressentem disso...

Ou seja, decidimos, agimos e criamos nossos próprios mundos a partir de "interpretações", que diferem de pessoa a pessoa...

Ora, se todo julgamento e decisão são resultados de interpretações, podemos esperar que surpresas e erros de julgamento nos aconteçam então. Sim, porque não temos controle total sobre os eventos que nos acontecem e porque tudo o que nos acontece é visto sob a ótica das nossas lentes de interpretação, das nossas experiências passadas e compreensões atuais.

Como cada um de nós teve experiências passadas diferentes, o potencial que existe para frustrações e  desentendimentos a partir de diferentes interpretações em nossos relacionamentos profissionais e pessoais é preocupantemente largo.. E desentendimentos geram mais stress, carga extra para os nossos …

Quanto mais solidários, mais desenvolvidos..

Imagem
9:30 da manhã. Fila de carros à minha frente, ao largo do quartel do Derby da Polícia Militar, no Recife. Espera paciente, porta-malas vão sendo abertos um a um. Malas dos carros cheias de mantimentos vão sendo esvaziadas pelos voluntários.

O quartel é um dos centros de coleta de doações para os atingidos pelas chuvas em Pernambuco. Nunca ví uma fila tão grande para fazer doação, nem tanta doação por pessoa. Muitos querem ajudar, num claro sinal de desenvolvimento humano e solidariedade.

A resposta à tragédia é, decididamente, compaixão e ação.

Seriedade para vencer

Imagem
Seriedade na hora de se preparar, de entrar em campo, de cantar o hino e defender uma nação.

Alegria na hora de comemorar os "gols" (palavra que tem a mesma fonética da palavra de origem "goals", em inglês, que significa "objetivos").

Profissionalismo na hora de enfrentar a concorrência, por mais dura que ela seja.

Vitória!

É isso que queremos ver na seleção que defende o Brasil na Copa do Mundo. E são essas mesmas qualidades que queremos ver nas pessoas que dividem conosco o compromisso de defender e fazer crescer as nossas empresas no mercado..

Que benefícios o seu cliente precisa?

O valor de um produto ou serviço de software está diretamente relacionado aos benefícios que o cliente espera ter e terá ao usar o produto ou serviço.

Ao invés de supormos o que o cliente espera, nada melhor do que perguntar e acumular experiências de implantação, certo?

Sim. Vicente Falconi fala que "a "análise de valor" consiste em ir até o cliente e perguntar do que ele realmente precisa - e o que está de fato disposto a pagar." E diz também que "é preciso estudar profundamente os hábitos de consumo e observar padrões de comportamento que possam levar a conclusões aplicáveis ao negócio. Sempre com a métrica financeira."

Ou seja, análise de valor é perguntar ao cliente que benefícios o cliente espera ter usando, no nosso caso, o tipo de software que vendemos, o quanto esses benefícios valem para ele (informação importante para o momento da proposta e negociação) e o quanto ele está disposto a pagar (chances existem que não teremos essa resposta do clie…

A sua compra do software que comprei aumenta o valor da minha compra

Indiretamente, a sua compra do software que comprei aumenta o "valor" da minha compra.

Efeitos indiretos são recorrentes em produtos de tecnologia. Neste caso, quanto mais compradores reais existem, potencialmente  maiores serão o número de recomendações positivas e a gama de produtos e serviços complementares e integráveis (do mesmo fornecedor e de outros).

É por isso que é tão mais fácil para um vendedor vender produtos/serviços de software com mercados já estabelecidos, onde já têem lideranças..  

Quando o valor da indústria depende do tamanho do mercado, quanto mais clientes compram, menor é a sensação de risco (ou sua percepção) na decisão de compra dos clientes potenciais, e mais valor (estamos falando de "valor", e não custo ou preço) tem a compra dos clientes que já compraram e são reassegurados do acerto das suas decisões quando outros os seguem.

Toda crítica é positiva

Já falamos sobre isso antes, mas é bom voltar à questão "crítica".

Uma crítica é um julgamento. Este julgamento pode ser construtivo ou hostil, dependendo da forma com que é feito, mais até do que o conteúdo do que é dito.

Se formos nós os críticos, a forma de criticar pode garantir a aceitação ou a rejeição da crítica pelo criticado. Esta forma, por sua vez, inclui a autenticidade e empatia no trato com as pessoas e a escolha acertada do "momento" da crítica. Algumas pessoas têem essa habilidade para mais, outras para menos.

Mas se formos nós os criticados (e é aí que o incômodo é maior..), o desprendimento atencioso é a melhor das nossas reações. Segundo Janet Malcolm, no livro "Psychoanalysis: the impossible profession", a mais original e radical descoberta de Freud foi  o fenômeno da "transferência", ou seja, a forma como nós todos inventamos a nós e aos outros de acordo com prévios planos ou cópias de vivências. Esperamos ser bem visto…

"Lendo igual a você..."

Um dia desses, minha filha me disse "Mãe, estou igual a você, lendo muito...". Estávamos as duas lendo à noite, sentadas próximas, e aquela pequena frase, tão rica de significado e consequências positivas para a vida dela, me deixou feliz.

Gosto muito de trabalhar nas horas de trabalhar e de ler nas horas vagas. A leitura (livros, periódicos e textos online) me permite estar atualizada e conhecer o pensamento de pessoas que passo a admirar e a combinar a essência do que pensam com o que penso, criando uma mistura crescentemente rica e, surpreendentemente, simples e nítida no foco.

As consequências positivas para quem lê são muitas. Quem muito lê:
- exercita a concentração
- treina a visão para um todo (início, meio e fim do texto)
- aprende sobre o conteúdo
- mantem-se atualizado(a)
- torna-se independente no acúmulo de aprendizados
- exercita a crítica
- com o tempo, passa a se comunicar e a escrever cada vez melhor (de e-mails a propostas...)

E você, lê muito? Gosta de …

Excessos? Melhor sem eles...

Excessos são admitidos quando as coisas vão bem. E quando as coisas não vão bem?

Cortamos custos, terceirizamos, treinamos pessoal em múltiplas funções, fechamos o que não está rendendo, damos menos mimos para o pessoal interno e externo e passamos a viver um permanente clima de tensão entre os gestores e dentro das equipes..

Valeu a pena? Não teria sido melhor impedir a ocorrência dos excessos dos melhores tempos?

Excessos também podem ser vistos em pessoas. Um excesso comum é a irritação. Penso que pessoas que se irritam por qualquer coisa devem ser pessoas felizes. "Felizes"? Sim.. Duvida? Se tivessem uma séria razão de dor ou preocupação (uma perda muito sentida pessoal ou profissional), não se irritariam tanto por tão pouco...

Irritações são excessos.. Ineficiências são excessos.. Perdularismos são excessos.. Sem eles, decididamente melhores nós ficamos...

O pulso da riqueza

Pesquisa do PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2a. etapa do Relatório de Desenvolvimento Humano Brasileiro 2009/10,  traz, entre outras, 2 conclusões a partir das respostas obtidas:

1- a população do Sudeste é a mais solidária
2- a população do Nordeste é a mais determinada

É assim que a riqueza flui e circula entre as diferentes regiões (do Brasil e do planeta) e é assim também que a riqueza se muda entre regiões de tempos em tempos. Os mais ricos, os mais bem sucedidos, são os mais solidários hoje, porque talvez tenham sido os mais determinados ontem. Os mais determinados hoje são os que mais trabalham para acumular a riqueza de amanhã, quando poderão ser ainda mais solidários porque terão mais a compartilhar. Essa movimentação é harmônica e rica de complementaridade, obedecendo a uma aparente inércia que, na realidade, é movimento, é mudança.. Muito lenta, muito sutil, mas segura... e, no caso, cíclica...

Assim também é com pessoas (e empresas). Os já estabe…