Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

Fechados como caixas?

"Se ele fosse melhor... Se ela fosse menos... Se o grupo fizesse isso..."
Reconhece-se falando assim?
Tão bem intencionados que somos e nos esquecemos de um detalhe que é fundamental: o quanto realmente nos interessamos e nos dedicamos a ajudar o outro. E este interesse e dedicação não significa trabalhar por eles. Não. Pelo contrário. Significa que...
... você é o exemplo vivo, personificado, da autodisciplina e dedicação que espera deles ... você ajuda-os a investigar causas e consequências no contexto em que "vocês" se relacionam ... você mostra respeito por eles ... você dá tempo a eles... ... você exige a disciplina deles ... você apoia o crescimento deles
"Tantos são fechados em si mesmos como caixas. Ainda assim, eles se abririam se você estivesse realmente interessado neles." (Sylvia Plath)
O quanto você está interessado, genuinamente vendo e ouvindo quem está ao seu redor? De família a associados e clientes, o quanto eles se sentem vistos, ouvidos e respei…

A agitação que se espalha... ou não...

Uma pessoa agitada é rapidamente reconhecida. Não para quieta, anda sem ritmo, respira intranquila - arfa e suspira. Olha em todas as direções e parece não ver nada do que olha. Nervoso, fala alto - e as palavras, ditas sem pensar, adquirem perigosa vida própria.

O problema fica maior se percebemos o quanto uma pessoa agitada espalha esta agitação onde está. O ambiente fica intranquilo, pessoas saem ou se curvam, olham para baixo. Defendem-se não encontrando o olhar daquele que está pronto a explodir.

Agitação é puro desperdício de energia. É custoso, ineficiente, cansa e afasta as pessoas... É o que você quer?

Então, adaptando parte do que já escrevi aqui (este é um dos meus posts favoritos), 4 sugestões para que a harmonia seja constante na sua vida (e não a agitação...):
Reconheça que o medo, a culpa e/ou o ego são as causas da agitação. A pergunta importante então é por que você não quer estar aqui e agora? O quanto o medo, a culpa, o ego, a irritação, o despreparo, o esquecimento…

Cordel sobre um feito

E elogio alguém por algo feito
E este alguém agradece e engrandece o feito
E mais tarde descubro que o feito por ela não tinha sido
E não entendo porque mentiu ela
Será que teme não mais feito conseguir fazer?
Que pena...
Tudo o que dali pudesse ser feito partir de agora
Não mais visto como feito será

Organizando os pensamentos para responder a clientes

O primeiro vem primeiro, sim? Se assim é, qual é a maior preocupação dos clientes que você aborda? Preço? Produto? Serviço? Não. A maior preocupação de um cliente numa abordagem de um vendedor de software é ver que/se você entende a realidade dele.
Se você faz uma abordagem e o cliente já pergunta por preço - como é bem comum acontecer na venda tradicional - é bem possível que sua abordagem não tenha demonstrado que você entende os desafios e os problemas que o cliente tem. Se assim é, o cliente reage. Que reações ele tem? Perguntar pelo preço é a mais comum e imediata reação. Pedir para que você ligue um tempo depois é também uma reação comum. As duas alongam o tempo e o processo da venda...
Necessário é organizar os pensamentos para conversar com os clientes. O que será dito? Em que ordem? O que é mais importante para o cliente? Voltamos então para a questão do primeiro vindo em primeiro.
O valor do que falamos, o valor do que representamos, o valor do que vendemos está intimamente…

Enxergando cada cliente como ele é

Cada pessoa é diferente, cada cliente é diferente. Toda pessoa tem similaridades, todo cliente tem similaridades.
Contraditório? Sim. Real? Sim. Consequência? Muita atenção e presença ao lidar com cada pessoa, com cada cliente.
Necessário é ver o outro como único que ele é - e não a soma de todos os outros clientes / pessoas com quem você já conviveu.  Ou seja, ele "não necessariamente" vai repetir o que os seus outros clientes / conhecidos fizeram ou foram... Por outro lado, necessário é também enxergar padrões similares entre os vários clientes “únicos”, especialmente se você atua verticalizadamente, tem atuação e foco em determinado público-alvo (segmentos/nichos econômicos), e eles, os clientes, estão na sua carteira para prospecção e atendimento.

Seu aprendizado pode esperar?

Método de venda de software, inglês, natação, meditação, pós/mestrado/doutorado, linguagem de sinais... O aprendizado surge da necessidade. Quanto maior é a necessidade, maior a velocidade exigida para o aprendizado.

Estar atento ao que é necessário aprender é um aprendizado. Perder esta atenção faz um postergar o que precisa saber "hoje". Saber fazer o que precisa ser feito é uma necessidade imediata e não uma opção para o futuro!

Estar atento às lições que temos sem aviso é também um aprendizado. O que tem acontecido repetidamente na sua vida? Que causas têm? Que resultados têm? Olhos abertos, o aprendizado pode estar já acontecendo e você nem percebendo...

Menos opinião, mais ação

Opinião ou ação? Onde você pára? Na opinião? Ou na ação?

A maioria das pessoas pára na opinião. Do enfático que defende em público a opinião que tem, ao tranquilo que se manifesta entre os mais próximos, opinião todos têm. A questão é que poucos a usam como base "contínua" para ações afirmativas, positivas.

Dê uma olhada ao seu redor. Do que vocês precisam mais? De mais opinião? Ou de mais ação?

Sim, opinião só não basta. A vontade de ver o resultado da ação acontecer, a habilidade para que ele aconteça, a coragem para torná-lo possível e a disponibilidade de recursos mínimos são necessárias para que boas opiniões se tornem boas ações - que gerem continuados bons resultados...

Mas enquanto a discussão de opiniões prevalecer no seu dia-a-dia, pouco tempo restará para a simples e direta "ação"... (sim?)

Estressado no trabalho?

Por que tanto estresse no trabalho?
O que este estresse está tentando lhe mostrar/ensinar? Por que o estresse se repete? Percebeu que quanto menos entende este estresse, mais ele se repete?
O que falta fazer? Ou, ao contrário, o que está sendo feito além do necessário? O que pode/deve ser mudado?
E se um já está com o dedo da culpa levantado para alguém, recolha-o. Pouco podemos alterar nos outros, mas “muito” podemos alterar em nós! O que pode ser feito diferente? Como ser agente de mudança? Como alguém completamente concentrado em fazer o melhor naquilo que faz pode inspirar outros a agir melhor?

Todos são professores, vê?

Você, eu, seu sócio, seu mentor, seu subordinado, seu concorrente, seu filho, um porteiro de prédio, um guarda de trânsito, um presidente de um país, o Papa, todos são professores. Tudo o que chama a sua atenção no que um outro faz, é ou representa é um ensinamento. Um ensinamento do "como fazer" "ou" um ensinamento do "como não fazer" são, ambos os tipos, ensinamentos. E, na hora em que você passa a tirar um aprendizado de "tudo" o que tem à sua frente, "todos" são seus professores e tudo o que fazem contribui para o seu crescimento! Já pensou assim?

Comecemos pelo pesadelo de qualquer um: ser aluno, sócio, subordinado, etc. de alguém que não é um bom professor. Lembrou a dor? Mas... basta mudar o foco e o enfoque e você poderá ter outros resultados. Se você enxerga que não pode mudar a situação de lidar com a outra pessoa (esta seria uma opção), se você entende que o pior dos professores é um imenso e vivo laboratório de sua observa…

Quando um não vira um sim...

Lembra da última vez que um "não" seu virou um "sim"?

Como foi? Em que situação foi? Para quem? Em que momento?

Você pressentiu a mudança de opinião ou foi tomado por ela de repente? Foi fácil mudar de opinião? Como os outros se sentiram?

Qual foi o resultado da mudança? Confiança ou desconfiança? Erro ou acerto?

Por que sua primeira resposta foi um "não"?

Em que situações seu "sim" vem sem o "não"?

Troque julgamento por percepção

Tomando o Wikipedia como fonte das definições, o termo julgamento "se refere a uma avaliação que considera uma série de fatores ou provas para a formação de uma decisão embasada. É uma avaliação com base em valores pessoais para proferir uma decisão ou realizar uma ação."

Percepção "é a função cerebral que atribui significado a estímulos a partir de histórico de vivências passadas. Através da percepção, um indivíduo organiza e interpreta as suas impressões para atribuir significado ao seu meio. Do ponto de vista psicológico ou cognitivo, a percepção envolve os processos mentais, a memória e outros aspectos que podem influenciar na interpretação dos dados percebidos."

Gosto de estudar definições porque elas ampliam a visão, aumentam a clareza nas afirmações. Então... se julgamento é proferir decisão e percepção é interpretar dados, troque o julgamento pela percepção!

Por que?

Porque julgar leva a decisões estanques, a tomar partidos. Quando um julga, ele se torna pró ou…

O que leva alguém a repetir o que vê?

Imagem
O que leva alguém a repetir o que vê?

Alguns poderiam dizer inteligência, outros poderiam dizer habilidades, outros ainda poderiam dizer vontade.

Eu? Diria que é reconhecimento! Quando você se vê naquilo que vê, um segundo se passa... e você repete o que viu!

Isto vale para uma criança repetindo uma pintura. Isto vale para um adulto vendo o exemplo de outro.

Exemplos, quando bons, nos inspiram. E quando há o reconhecimento em você no que um outro faz, inevitável é a repetição, profunda é a marca e a lembrança que ficam.

O que explica isso?

Reconhecimento não se explica, se sente! Bons exemplos que mostram paixão pelo que se faz geram reconhecimento. Bons exemplos que mostram sentido para a vida também geram geral reconhecimento. Bons exemplos de sucesso também podem gerar reconhecimento - com um porém: curiosamente, exemplos de sucesso geram reconhecimento apenas naqueles que se vêem capazes de atingí-lo. Mas, qualquer que seja o reconhecimento sentido, ele extrapola a consciência, e…