Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2009

Raciocínio lógico estruturado

Raciocínio lógico estruturado é a capacidade de entender as ligações entre causas e consequências. Se queremos chegar num ponto A, teremos que: - enxergar os nossos pontos fracos e fortes - prever possíveis ameaças e oportunidades que surgirão no caminho - admitir que vários outros também vão querer chegar no mesmo ponto A ao mesmo tempo que nós - perceber que dependeremos de outros (pessoas e ferramentas) para chegar até lá - escolher de quem e do que dependeremos - e a quem ajudaremos - selecionar a nossa rota - selecionar as rotas B, C e D ( e os respectivos planos B, C e D) - certificar-se que seremos notados no caminho (sim, para diminuir os nossos riscos) - estar preparado e seguro para a caminhada - dar o primeiro passo, o segundo, o terceiro passo... até o enésimo passo onde teremos alcançado o ponto A. Quem tem um pensamento lógico estruturado também é capaz de ver o que é vital e o que é dispensável, o que é urgente e o que pode ficar para depois (ou nunca, se for completam

A diferença entre o bem feito e o perfeito

Imagem
A diferença entre o bem feito e o perfeito está no quanto inesquecível ou lembrado nosso trabalho será por aqueles que o tenham presenciado. Um exemplo simples: tirar fotos, todos nós tiramos. Uns melhores, outros piores, todos tiramos. Mas vejam as fotos de Gregory Colbert em Ashes and Snow e presenciem "perfeição". O esmero e a genialidade na temática e na composição das fotos (e do Web site com efeitos sonoros) são simplesmente inesquecíveis.. Fonte: http://www.ashesandsnow.org PS: No site, é dito que esta exposição virá ao Brasil em 2009. Imperdível..

Somos os responsáveis

Em qualquer situação que decidimos viver, fruto de nossa escolha, há o lado bom e o lado não tão bom. Somos naturalmente otimistas e, no trabalho, também pensamos mais no lado bom: o batimento das metas, as promoções e o crescimento da empresa. Pouco pensamos nos conflitos, atrasos e fracassos que poderemos encontrar em determinadas situações. Além de otimistas, somos naturalmente orgulhosos. Nos resultados positivos, sentimo-nos responsáveis. Nos resultados negativos, são outros os responsáveis. O que nos acontece tem a nossa co-autoria e aceitar a nossa responsabilidade pelos fracassos não antecipados é um primeiro passo importante para o nosso crescimento pessoal. Mais importante ainda é aceitar a nossa responsabilidade pelo sofrimento que sentimos quando fracassamos. O sofrimento pode ser muito maior do que o fracasso em sí e é ele que destrói o entusiasmo e a produtividade de um profissional no trabalho (na vida pessoal então, a destruição pode ser muito maior..). Só tomand

Não perca de vista o que é mais importante

O que é mais importante para você? Seu trabalho? Sua missão? Seus resultados? Sua tranquilidade? A qualidade do relacionamento com a sua família? Com os amigos? Com o pessoal da empresa, associações de classe e empresariado? Seus interesses particulares? Seus estudos? Como cada um desses itens pertubam ou contribuem para os demais? E qual é a prioridade que você dá aos que lhe são mais importantes?

No dia daquela reunião importante..

Vai ter uma reunião importante hoje? Dicas: - certifique-se que está preparado para a reunião - use uma argumentação clara, concreta e importante para o público-alvo - tenha um mapa mental do rumo que você gostaria de dar à conversa - esteja tranquilo e receptivo para "realmente" ouvir o outro - ao falar e ao ouvir, ponha-se no lugar do outro ("olhe através dos olhos dele") - faça perguntas que ajudem o outro a entender o que ele quer ou precisa daqui a 10 dias, 10 meses e/ou 10 anos (criação da visão) - não tire a legitimidade da argumentação do outro, mesmo que seja contrária à sua - tudo é uma questão de tempo, até mesmo a concordância (ou não..) entre vocês Preparado? Sucesso na sua reunião!

O consolo depois do desconsolo

Segundo Lucy Kellaway , numa situação em que nos vemos envolvidos por qualquer tipo de quebra de vínculos (por parte de uma empresa ou por parte de uma outra pessoa), passamos obrigatoriamente por 6 fases: - negação - choque - medo - raiva - aceitação - animação Para melhor ou para pior, o ser humano se cansa de seu próprio desconsolo e se auto-inicia novamente, dá um "auto-boot" (sobrevivência ou auto-aperfeiçoamento num Darwin psicológico?), procura razões para se animar novamente... Dependendo do vínculo, vejo que o lado que o cortou também passa pelas mesmas fases, mas em ordem diferente: - negação - raiva - aceitação - animação - choque - medo O momento da "decisão" (que acontece durante a fase de animação) é visto por muitos como o único momento de "real liberdade" pessoal ou profissional. Mas este momento não é perene. Ele é imediatamente substituído pelos momentos em que o decisor estará preso às consequências da sua decisão. O choque e o medo a

Não há um líder

A personalidade das empresas é a mesma dos seus líderes fundadores.. Quando não é, é sinal de que há 2 (ou mais) empresas em luta dentro de 1. É fácil identificar a ocorrência dessa briga pelo poder: - os grupos não se misturam - as reuniões são repletas de discussões infrutíferas - a aceitação de um idéia ou projeto depende de quem foi o autor da idéia ou projeto - as críticas são constantes, mas veladas (nunca são abertamente feitas ao outro grupo) - os grupos se boicotam - a empresa não prospera Pura perda de tempo..

A importância do contrato psicológico

"A quebra do contrato psicológico é o que faz as empresas perderem talentos." A afirmação é de Deli Matsuo, Diretor de RH da Google para a América Latina, e mostra o quanto nossas expectativas em relação à empresa que trabalhamos, ao trabalho que desempenhamos, aos chefes a quem nos reportamos, às pessoas com quem convivemos e produzimos e aos recursos que dispomos para essa produção têem relação direta com as decisões que tomamos. Se a realidade não corresponde às expectativas e há a quebra do contrato psicológico, cresce a chance da quebra do contrato real de pessoal. Manter o equilíbrio entre expectativa e realidade é também uma forma de proteção da credibilidade da empresa.

O que funciona nas apresentações de planos de negócios

Tim Berry é presidente da Palo Alto Software, especialista em planos de negócios e apresentações de planos de negócios, e compartilha no vídeo abaixo o que é mais importante nessas apresentações: - sumarize; - organize; - não memorize; - mostre o seu diferencial ("the secret sauce", o molho secreto); - atenha-se ao que é mais importante; - apresente e enfatize o tamanho do mercado potencial, quem é seu público-alvo e porque eles comprarão de você. Vejam o vídeo.